Amar sem advérbios

Amar sem advérbios

Amar sem advérbios traz poemas sobre a condição humana. A obra propõe falar daquilo que vive dentro de todos nós, independentemente da época, do lugar e das demais circunstâncias em que estejamos: sentimento de forma pura, simples, “sem advérbios”.

Autor: Carlos Nogueira
Poesia
14 x 20 cm | 1. edição | 72 páginas | 2018
ISBN 978-85-93325-03-8

R$29,90 

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Sentimento de forma pura, simples, “sem advérbios”.

Amar sem advérbios traz poemas sobre a condição humana. Dividida em três partes – amar, ser e perceber –, a obra propõe falar daquilo que vive dentro de todos nós, independentemente da época, do lugar e das demais circunstâncias em que estejamos: sentimento de forma pura, simples, “sem advérbios”. Partindo desses elementos, Carlos Nogueira faz sua estreia literária. E convida o leitor a ser cúmplice nas experiências que o trouxeram até este encontro.

Carlos Nogueira

Carlos Nogueira nasceu em Aracaju (SE), em 1988. É formado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Goiás. Além de escrever poesias, atividade que realiza desde a adolescência, trabalha no Tribunal do Trabalho de Santa Catarina.

O autor teve a poesia Balanço do (a)mar publicada na antologia do I Prêmio IFSC de Literatura, em 2017. Carlos também recebeu menções honrosas com as poesias Soneto do Fim Prematuro, no 2º Concurso Internacional de Poesias da Casa de Espanha, e Fantasias, no 12º Concurso Nacional de Poesias Pérola da Lagoa.

Foto: Adriano Ebenriter.

Conheça outros livros publicados por nós

1947: um verso a mais

1947: um verso a mais

Saudades e amores perdidos durante a vida, amores que se esperam com uma taça de vinho ao toque melancólico de sua flauta de Bambu: assim é que Catita nos leva ao seu universo, e sem mais pretensões convida o leitor, de mãos dadas, a caminhar junto por entre estradas de chão batido.

Páginas que não li

O drama de um desafortunado casal, ambientado em um lugar hostil e cheio de privações, rumo aos limites extremos das provações humanas.